O monolinguismo do outro ou a prótese de origem

O monolinguismo do outro ou a prótese de origem repensa a experiência da língua a partir do questionamento da ideia de “língua materna” e da escuta daquilo que, na língua de cada um, é simultaneamente ancestral, singular e partilhado. Jacques Derrida percorre e dialoga com a tradição filosófica e, no mesmo gesto investigativo, está atento também à sua própria biografia na relação com a língua – o francês ensinado nas escolas da Argélia, a França como país da língua oficial, a literatura e o pensamento franceses lidos e vividos por um estrangeiro que, entretanto, era também um cidadão que aprendera o francês desde criança. Tudo isto torna este livro um testemunho de que pensar é um gesto ao mesmo tempo íntimo e público, é uma oferta do que é mais próprio ao em comum.