Caderno n.72 – Sobre a morte de um amigo

Michel de Montaigne

Baixar

Descrição

Nesta carta, assinada em 19 de agosto de 1563, Montaigne descreve os últimos momentos da vida de seu amigo La Boétie. Comovente e encantatória, a carta é um testemunho impossível: entre a saúde e a doença, um silêncio se anuncia, implacável, e Montaigne, que o via chegar, não pôde dar-lhe um lugar.

“Nesse ponto, ele terminou sua fala, continuando-a depois com uma tal firmeza no semblante, tal força nas palavras e na voz que, daquele momento em que o encontrara, quando entrei em seu quarto, fraco, arrastando lentamente as palavras, umas após outras, e tendo o pulso enfraquecido como que por uma febre vagarosa puxando-o para a morte, o rosto pálido e totalmente mortificado, parecera então que ele acabara, como por milagre, de retomar um pouco de vigor, a tez mais corada, e o pulso mais forte, de modo que fiz com que ele apalpasse o meu para compará-los conjuntamente. Naquela hora tive o coração tão apertado que nada lhe soube responder.”

 

Tradução
Anderson Fortes

Projeto gráfico
Rafael Camisassa

Este Caderno de Leituras foi realizado com recursos
da Lei Municipal de Incentivo à Cultura de Belo Horizonte.
Fundação Municipal de Cultura. Patrocínio UNA.

Informação adicional

Ano

2017